mod_eprivacy

You have allowed cookies to be placed on your computer. This decision can be reversed.

Na Itália, entusiastas da FEB preservam a história dos brasileiros que combateram pela libertação do país.

 

Montese (Itália)  Preservar a memória dos vultos históricos e de seus feitos em prol do Brasil é uma das diretrizes do Exército. Com esse objetivo, a instituição mantém viva a memória da Força Expedicionária Brasileira (FEB) e de seus 465 militares que tombaram em solo italiano entre 1944 e 1945, durante a Segunda Guerra Mundial.

 Nesse contexto específico, cabe ressaltar o papel desempenhado por estudiosos e pesquisadores da trajetória da FEB na Itália, a exemplo do ítalo-brasileiro Mario Pereira e do italiano Giovanni Sulla. O primeiro deles tem raízes diretas com os Pracinhas. Seu pai, o então Sargento Miguel Pereira, foi um dos 25.334 combatentes da Campanha na Itália. Ao término da guerra, casou-se com uma italiana, que deu à luz em 1959, na cidade de Pistóia.

 Essa localidade abrigou um cemitério onde os Pracinhas que pereceram no conflito repousaram até o ano de 1960, quando seus despojos foram trasladados para o Monumento Nacional dos Mortos na Segunda Guerra Mundial, no Rio de Janeiro. No lugar do antigo cemitério, foi  criado o Monumento Votivo Militar Brasileiro, inaugurado em 7 de junho de 1966, cujo primeiro administrador foi o pai de Mario, que manteve os nomes dos Pracinhas gravados em lápides e em um extenso paredão, margeado por um belo espelho d´água.

Em 1997, Mario Pereira assumiu a função, sendo contratado pela Embaixada do Brasil na Itália. Além de gerir o espaço e atuar como um entusiasmado guia para os visitantes, profere palestras sobre a FEB, na Itália e no Brasil, bem como criou um pequeno museu com relíquias da saga brasileira na Segunda Guerra Mundial, incluindo uma biblioteca, ambos em uma sala anexa ao Monumento Votivo.

O administrador não esconde a emoção ao comentar sobre a trajetória dos Pracinhas, salientando a importância de manter viva a memória dos combatentes. "Aqui nas regiões da Toscana e Emília-Romagna, a lembrança do sacrifício da FEB é algo ainda muito exaltado, mais do que no próprio Brasil, passando às novas gerações. Nos últimos anos, com a realização de palestras e outras atividades, procuramos contribuir para que os brasileiros conheçam mais essa bela história", destacou.O italiano Giovanni Sulla também é um grande entusiasta da Força Expedicionária Brasileira. Autodidata, o historiador e pesquisador da história dos Pracinhas, que reside na italiana Montese, já escreveu livros e participou de vídeos sobre o tema, tendo recebido diversas condecorações das Forças Armadas do Brasil e de associações de veteranos de guerra. Da mesma forma, seu incansável trabalho foi fundamental para a criação de monumentos e museus sobre a FEB na Itália, colaborando para a preservação dessa página gloriosa de nossa história.

 Giovanni Sulla define a si próprio como um apaixonado pela FEB e acredita que o reconhecimento dos feitos de nossos combatentes pela libertação da Itália do nazifascismo poderia ser maior no Brasil. "É uma história de heroísmo e solidariedade a um povo que sofria com a opressão. Muitos brasileiros derramaram seu sangue em nome de nossa liberdade, por isso merecem nossa gratidão eterna", lembrou.

 

 

 

Idioma

Topo
JSN Boot template designed by JoomlaShine.com